Casa Flora: sabores de minas e de 20 países em um só lugar

Casa Flora: sabores de minas e de 20 países em um só lugar

Casa Flora abriu as portas pela primeira vez em 1ª de julho de 1970, mas sua história começa alguns antes. O negócio começou como a Casa da Mussarela, que vendia a supermercados e aos feirantes da cidade produtos como queijos frescal, meia cura, prato, muçarela e parmesão de pequenos produtores mineiros.

No final dos anos 60, os negócios iam de vento em popa, mas seus criadores decidiram criar mais uma fonte de renda. Assim, em um imóvel vago na Rua Santa Rosa, nascia a Casa Flora, que inicialmente vendia enlatados (como sardinhas, molho de tomate, ervilhas, pêssegos em calda e goiabada), azeites e os laticínios produzidos na fábrica de queijos Flora, que o patriarca da família Carvalhal havia adquirido na década de 50 no município de Três Corações (MG). Imediatamente após iniciar as atividades, a Casa Flora tornou-se um sucesso. “Lembro-me que chegávamos a vender mais de um caminhão de queijo por semana”, recorda um dos donos.

casa-flora-na-zona-cerealista-no-bras

Em 1982, decidiram fechar a Casa da Mussarela, mas a Casa Flora seguiu a trilha de sucesso, tornando-se a cada dia mais conhecida e movimentada, passando a ocupar um imóvel vizinho e incorporando novos produtos ao seu mix, como os bacalhaus, as azeitonas e os frios.

Nos anos 90, com a abertura do país às importações, a empresa começou a trazer vinhos do Chile, de Portugal e da Itália. Aos poucos, foi abrindo o leque e diversificando o portfólio. Hoje a Casa Flora trabalha com milhares de itens gourmet, vindos de 20 países.

Entre os carros-chefes da empresa estão os vinhos chilenos Santa Carolina, as cervejas alemãs Paulaner, as mostardas francesas de Dijon, os macarrões italianos Paganini, o presunto ibérico Josep Llorens, a tequila mexicana Patrón e a água mineral norueguesa Voss. Para dar conta desse salto qualitativo e quantitativo, a Casa Flora teve de expandir sua área de armazenamento e distribuição, locando galpões nas ruas da região, como a Monsenhor Andrade e a Sampaio Moreira, onde funcionam hoje o centro de logística e o escritório da importadora, que dá emprego a cerca de 200 funcionários.

“Nosso lema é ‘Deus é Amor’, e nosso trabalho sempre foi apoiado num tripé formado pelas mercadorias de qualidade, a honestidade nas vendas e o bom atendimento a todos os nossos clientes”, avisa um dos fundadores.

Deixe um Comentário

Seu e-mail não será publicado.

WhatsApp chat